Diário da gestação: 11ª semana

Semana transcorreu normalmente, sem maiores novidades. Depois que passa a empolgação da notícia, a rotina vai voltando ao normal, cada um segue a sua vidinha e no fim você acaba se sentindo ‘a chata do assunto repetitivo’, porque tem vontade de falar só dos bebês o tempo todo.

Acho que mais do que isso, a gente passa a viver a gestação / maternidade. Mudamos o foco, começamos a pesquisar sobre o assunto, a fazer listas de enxoval e compra, então acaba virando o projeto principal do momento. Eu e marido estamos curtindo – e eu me policio pra não falar só sobre isso.

Na 11ª semana os fetos (promovidos, agora) alcançaram cada um o tamanho de um figo. E a barriga começou a crescer – parece que vai aumentando a cada dia. Chego à noite e, antes de tomar banho, olho a pança no espelho. Minha impressão é a de que está cada dia maior! Tô me sentindo gravidíssima.

Presentes da Tia Cida, que estava na loja comprando um dos bichinhos quando soube da notícia. "São gêmeos? Então vou levar mais um!"

O amor pelos bebês é uma coisa maluca de explicar. Eu amo, imagino tudo o que eu faço com a presença deles, as mãozinhas, os chorinhos, depois as risadas, o quentinho do corpo deles no meu colo. Mas acho que esse amor incondicional, selvagem e visceral do qual todas as mães falam nasce junto com as crianças. Por enquanto, é uma paixão platônica, você tem o sentimento mas não tem o ‘objeto do amor’ visível e palpável. Tô doida?

Ao mesmo tempo, tem um certo medinho. Uma contagem regressiva para o próximo exame e para saber que está tudo bem com eles. Hoje estou entrando na 12ª semana (escrevo sempre sobre a última semana que passou) e na próxima quarta-feira tenho ultrassom. Será um alívio sem fim passar por este divisor de águas!

Minha nova mania é fazer cosquinha na barriga e falar “vem gente, vamos gente, olha pessoal, ouve pessoal, o papai chegou gente, olha a vovó turma”. Quem ouve já deve pensar em me internar. Mas eu, marido e barriga nem ligamos.

E falar no plural. Agora, no caso, acabamos de voltar do almoço. Eu e minha turma.

Sintomas: um pouquinho de desconforto intestinal, acho que é do anti-inflamatório. E em alguns dias um cansaço descomunal, como se eu tivesse sido atropelada por um trator.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s