Querida Rafaella,

Estávamos ansiosos pela sua chegada, embora eu acredite que, de lá de dentro da barriga de sua mamãe você já podia sentir isso.

Dia após dia aprendemos a amar uma pessoa que ainda nem tínhamos visto, nem sabíamos como era. Ficávamos brincando de adivinhar como seriam seus olhos, sua boca, seu nariz, sua mãozinha… foi um longo exercício de imaginação.

Você escolheu chegar de surpresa. Já havia dias que você estava tentando vir ao mundo, encaixadinha, pronta para sair! Nos deu um susto há duas semanas e a espera se tornou ainda mais difícil para os seus padrinhos impacientes e agoniados.

Eis que em um dia que nasceu comum, em uma semana típica de verão (embora já estejamos quase no final dele), em uma quarta-feira que teria tudo para ser igual a todas as outras, você veio. No meio da tarde, na volta da consulta do obstetra, a bolsa da mamãe rompeu! Ligações pipocando, MSN engarrafado, todos os ‘nicks’ da família em sua homenagem.

No final da tarde, você nasceu, chacoalhando os bracinhos e perninhas no telão da maternidade. A madrinha, enfurecida, não conseguiu chegar a tempo de assistir à sua estréia e quase chorou pela perda… Depois de cumprimentar os avós, os ‘tios-primos’, titias-avós e o papai-coruja, ficamos lá esperando você chegar ao quarto.

Quando você entrou, pequenininha e avermelhada, embrulhadinha em uma mantinha cor de rosa, não podíamos acreditar. Era você, ao vivo! Tão linda, miudinha, chorando baixinho… conversamos com você, tiramos fotos, vimos você mamar pela primeira vez e tivemos certeza: já te amávamos infinitamente.

Te peguei no colo – a primeira vez que tive coragem de pegar um recém-nascido – e pude prever como será segurar seu priminho ou priminha, quando eles chegarem. Não existem palavras que possam descrever com exatidão essa mistura de sentimentos.

Faz menos de 12 horas que te deixamos na maternidade e já estamos com saudades… por isso que vou correndo te ver agorinha mesmo, na hora do meu almoço.

Rafinha, não acredite nas pessoas que te dirão que a vida não vale a pena, porque ela é bonita apesar dos pesares. Acredite que há amor e compaixão, que há honestidade e virtudes, que há compreensão e alegria. Acredite em tudo, mesmo que às vezes a madrinha ou o padrinho pareçam cabisbaixos… porque as tempestades são passageiras.

Acredite que viver é bom, porque os milagres acontecem todos os dias. Você é um deles.

Bem-vinda.

* Rafaella nasceu no dia 24/02/2010 às 18h28, com 46 cm e 2.400 kg. E já tem dezenas de pessoas simplesmente apaixonadas por ela.

Anúncios

Um comentário sobre “Querida Rafaella,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s